Em defesa de uma América Latina mais justa

Maior pintor equatoriano usou sua arte como chamamento à unidade no continente

Mulheres mestiças são um dos destaque na obra de Guayasamín


Já ouviu falar do museu Capilla del Hombre e do pintor e escultor equatoriano de origem indígena, Oswaldo Guayasamín, que dedicou sua arte a defender uma sociedade mais justa e igualitária? No foco de Guayasamín, especialmente, a subjugação dos povos latino-americanos.


Guayasamín, considerado o maior pintor do Equador, morreu aos 80 anos, em 1999. Três anos depois, ficou pronta a Capilla del Hombre, idealizada e co-projetada por ele. Um espaço que, em suas palavras, seria dedicado ao povo da América Latina e funcionaria como um chamamento à sua unidade _ do México à Argentina. Assim foi. 

A casa do artista onde funciona a fundação que leva seu nome


Localizado em Quito, e junto à casa onde Guayasamín morou e trabalhou, o museu exibe a coleção pessoal do artista. Peças arqueológicas pré-colombianas também se destacam no lugar. E o complexo cultural guarda uma vista privilegiada da capital. 

Logo na entrada do Capilla del Hombre


“Lágrimas de Sangue”, tela de 1973, é uma homenagem do equatoriano a três chilenos. Ao presidente Salvador Allende e ao músico Victor Jara, mortos no golpe militar que levou Pinochet ao poder, e ainda para Pablo Neruda, que também morreu naquele mês de setembro, em decorrência, segundo a ditadura, de um câncer.
“El Guitarrista”, de 1977, é outra obra que celebra Victor Jara. Guayasamín pintou uma versão para “La Pietá de Avignon”. E, no objetivo de retratar a gente latino-americana, produziu vários quadros com rostos de mestiças.  

“Lágrimas de Sangue”, homenagem a chilenos mortos na ditadura

“El Guitarrista”, obra que celebra músico Victor Jara

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *