Nas Highlands, seguindo os passos de ‘Outlander’

Confira 10 polos de locação da série que retrata a Escócia. Quinta temporada começa dia 16

A fictícia Cranesmuir, moradia de Geillis, foi filmada em Culross, exemplo raro de vila escocesa dos séculos XVII e XVIII

Alô, alô, loucos pela História. Loucos por séries de TV bem construídas. Pelas Highlands, as Terras Altas da Escócia. E, mais precisamente, por “Outlander”, trama exibida no Brasil pela Fox, que chega à 5ª temporada no próximo dia 16, em estreia mundial. Que tal experimentarem um roteiro de viagem que inclui dez pontos de locação, a maioria no interior do país europeu?

“Outlander” conta a história de Claire, a enfermeira inglesa casada, que, depois da Segunda Guerra, volta 200 anos no tempo. E é jogada noutro conflito: na Escócia de 1743, durante os Levantes Jacobitas, a insurreição highlander contra o governo inglês. Ali ela conhece Jamie Fraser, o guerreiro rebelde e seu segundo marido.

Indo de Culross (exemplo raro de vila escocesa de cinco séculos atrás) a Hopetoun House (uma das mais imponentes propriedades do país), tudo nos transporta a um tempo e espaço tão perigoso quanto confortável, tão surpreendente e necessário. Louca por esse mundo meio mágico, sugiro um roteiro que cabe, pelo menos, em três a quatro dias de viagem.

1– Lallybroch (Midhope Castle)

Ainda no sul da Escócia, Midhope Castle é Lallybroch, onde mora a família de Jamie, o mocinho da série. Trata-se de uma tower house do século XVI (construção erguida para moradia e proteção da área), hoje parcialmente destruída. O interior da casa foi filmado em estúdio. Mas, estar diante do castelo, da escadinha e do portal tão familiares aos fãs da série, leva o visitante a voltar no tempo. A visita custa 3 libras.

Só a fachada de Lallybroch, a casa dos Fraser, foi filmada no Midhope Castle, que está em ruínas. A entrada é proibida

Midhope fica na cidade de Queensferry, a meia hora de Edimburgo, dentro das terras da Hopetoun House. Na sede, o turista conta com toda a infraestrutura necessária à visita (ver abaixo). Por isso, saindo da capital, comece o dia por Hopetoun, onde você recebe informações sobre Midhope, inclusive mapinha para chegar até lá. Foi a locação mais difícil de encontrar!

2- A casa do duque de Sandringham (Hopetoun House)

Entre as temporadas 1 e 3, a propriedade de Hopetoun House foi usada para 17 locações da série. Como o Quarto Vermelho, onde o duque de Sandringham recebe os Fraser, o estábulo e a área do duelo. Abre diariamente de 10h30m a 17h, mas fica fechada no inverno (voltará a funcionar em 10 de abril). Ingressos a 10,50 libras.

A entrada da sede de Hopetoun House, tida como uma das mais imponentes propriedades escocesas

Hopetoun é um dos melhores exemplos da arquitetura britânica do século XVIII. Protegida como monumento nacional, a propriedade é dos Hope desde a construção, em 1699, e a ala sul é moradia da família. Seu interior é espaçoso e opulento. Um requintado salão de chá, construído num antigo anexo, completa a visita e garante uma boa refeição. Na entrada, há venda de lembrancinhas da série e artesanato local.

3– Cranesmuir (Culross)

Uma gracinha a vila de Culross, que abriga várias áreas de locação de Outlander. A 40 minutos de Edimburgo e a meia hora de Hopetoun, é a Cranesmuir da história, moradia da feiticeira Gellis Duncan. Foi feita ali a cena em que, da janela da casa, ela e Claire veem um jovem ter a orelha presa ao pelourinho. Fica em Culross também o jardim onde Claire aparece colhendo ervas e plantas.

Restaurada, Culross é administrada pelo patrimônio da Escócia. Fica às margens do Rio Forth

Ruas de pedras nos levam ao Mercat Cross (marco de fundação de uma cidade), imediatamente reconhecido pelos fãs da série. No Culross Palace, há plaquinhas indicativas, nas salas em que foram filmadas cenas. Como o quarto em que os protagonistas ficaram quando casaram.

A vila, que é do século XVII e fica às margens do Rio Forth, foi restaurada e é administrada pela National Trust for Scotland. Ruazinhas e casas parecem ter saído de livros de história. Mas atenção, às 17h os dois ou três cafés do lugar já terão fechado. A Culross Abbey, do século XIII, também merece a visita: estará aberta de maio a setembro, entre 9h30 e 17h.

Doze salas do Culross Palace são abertas à visitação. Em algumas delas, foram filmadas cenas da série

4– Inverness da série (Falkland)

A pitoresca e conservada Falkland, que fica a uma hora da capital, é, na série, a Inverness dos anos 1940 e 1960. Outra vilazinha para quem quer voltar no tempo. É aí que Outlander começa e onde foi filmada uma de suas cenas mais importantes: a que mostra o fantasma de Jamie, ao lado da Bruce Fountain, observando a janela do quarto em que Claire está hospedada com Frank, o então marido.

A pequena vila de Falkland é a Inverness da série. Na foto, o lugar de onde o fantasma de Jamie observa o quarto de Claire

A hospedaria é o Mrs Baird B&B, que usou como locação o Covenanter Hotel. De fato, só sua fachada. O interior foi filmado em estúdio. Assim mesmo, o Covenanter está sempre lotado. Para se hospedar ali, melhor reservar. E o vilarejo só tem outro hotel, o Bruce Inn, que também lota no verão. Fica em Falkland ainda a lojinha Fayre Earth, da cena do início da trama. Às 21h, cafés e restaurantes já estão fechados.

A vila é feita de ruazinhas estreitas com 24 prédios listados como bens históricos. E é meio que dominada pelo Palácio de Falkland, uma das propriedades da dinastia Stuart. A construção foi parcialmente restaurada nos anos 1800 e hoje é administrada pela National Trust for Scotland.

A lojinha de presentes e chá Fayre Earth foi usada na cena em que Claire se interessa por um vaso que estava na vitrine

5- Castle Leoch (Doune Castle)

Outra locação marcante de “Outlander” é Castle Leoch, residência do clã Colom MacKenzie, tio de Jamie. É para lá também que Claire é levada quando chega ao século XVIII. As cenas externas foram rodadas no Doune Castle, que fica na cidade de Doune, próximo de Stirling e a uma hora de Edimburgo. Os ambientes internos, entretanto, foram reproduzidos em estúdio.

Como a cozinha da senhora FitzGibbons, cópia da cozinha do Doune. Ali, em áudio-guia, o ator Sam Heughan, intérprete de Jamie, fala sobre a perfeição da reprodução. Realmente, antes de saber que a filmagem não foi feita ali, você acredita que está numa locação de “Outlander”.

A cozinha do castelo dos Mackenzie é uma perfeita cópia da que existiu no Doune Castle

Em outro ambiente, Heughan conta que, para fazer o papel do rebelde escocês, se sentiu obrigado, e grato, a aprender gaélico (a língua nativa da Escócia, que o governo hoje tenta difundir).

O Castle Doune é uma fortaleza medieval do século XIII. Sua impressionante arquitetura o tornou popular entre companhias cinematográficas. Já foi locação, por exemplo, para um piloto de “Game of Thrones” e “Monty Python em busca do Cálice Sagrado”. Mas foi “Outlander” que transformou o Doune em uma das principais atrações do interior da Escócia. O castelo estará aberto de abril a setembro. Ingressos a 9 libras.

Fortaleza medieval construída no século XIII, o Doune Castle já atraiu várias produções cinematográficas
O Grande Salão do Doune também serviu de exemplo para a construção de cenários do Leoch

6- Highland Folk Museum

Na busca pelas locações de Outlander, chegamos finalmente às Terras Altas – ou Highlands, a área montanhosa do norte da Escócia, para onde, na trama, Claire é mandada através do tempo. No Highland Folk Museum, um museu a céu aberto, encontramos a réplica de um povoado dos anos 1700, com suas casas de pedra e telhados de palha, locação ideal para as cenas em que os MacKenzie coletam impostos dos moradores.

O acervo do museu é extremamente rico e mais abrangente: mostra como os highlanders viviam e trabalhavam dos anos 1700 até os anos 1950. São mais de 30 prédios históricos, divididos por três séculos.

No Highland Folk Museum, há réplicas de casas do século XVIII, ambiente ideal para algumas cenas

O museu fica na cidade de Newtonmore, a pouco mais de duas horas de Edimburgo. Desde o início da série, em 2014, o Highland Folk passou a receber visitantes de todo o mundo. A entrada é gratuita, mas uma plaquinha avisa que doações são bem-vindas. Fechado por causa do inverno, o museu reabrirá em 1º de abril.

7– Campo de batalha de Culloden

A batalha de Culloden, que ocorreu em 16 de abril de 1746, talvez seja o momento mais sangrento da história da Escócia. Também em Outlander, o evento tem papel ímpar: nas primeiras temporadas, a trama gira em torno da tentativa de Jamie e Claire de evitar o confronto e, malsucedidos, da volta dela ao século XX.

O campo de Culloden, onde ocorreu a última batalha da insurreição jacobita. O conflito é peça-chave no início da série

Nenhuma cena da batalha foi filmada em Culloden, que fica a meia hora de Inverness, a capital das Highlands, e a três horas de Edimburgo. Mas essa é uma História que seduz. No centro de visitantes, aprende-se como começaram e terminaram os Levantes Jacobitas, tão relevantes para a formação do país – o objetivo era reconduzir ao trono a dinastia Stuart; mas tudo acabou em Culloden, quando mais de 1.500 revolucionários morreram na luta contra o exército inglês.

E, se antes de “Outlander”, Culloden já era um importante centro de atração, imagine hoje. Caminhando de um lado a outro, em meio a uma chuva fininha e constante, visitantes observam as lápides com o nome das famílias dos highlanders mortos ali. Dão atenção também às bandeiras vermelhas e azuis que marcam, respectivamente, as posições do exército inglês e das forças jacobitas durante o conflito.

Bandeiras vermelhas e azuis marcam, respectivamente, as posições do exército inglês e das forças jacobitas

Um enorme restaurante e uma megaloja com uma infinidade de lembranças e artesanato local também integram o centro de visitantes. O que pode até lembrar aquelas áreas comerciais comuns a grandes pontos turísticos. Mas é diferente: tudo no lugar ter personalidade. Afinal, estamos nas Highlands, a área montanhosa do norte do país, habitualmente envolta numa névoa densa cheia de história para contar.

Administrado pelo National Trust of Scotland, o campo de batalha tem visitação gratuita. O centro de visitantes, que oferece tours a 11 libras, está aberto durante todo o ano, das 10h às 16h.

Lápides marcam o nome das famílias de highlanders que foram mortos ali, durante a batalha

8- Craigh na Dun (Clava Cairns)

O lugar onde foi filmado Craigh na Dun não existe. As cenas no círculo de pedras em que Claire é transportada através do tempo foram filmadas em cenário fictício, inspirado em locais reais das montanhas escocesas. São catalogados ao menos seis deles. Como o sítio pré-histórico de Clava Cairns , vizinho a Inverness, que virou atração para os fãs da série.

Clava Cairns é um complexo de cemitérios da Idade do Bronze (3.000 a 700 anos aC). São marcos de pedras, amontoadas em formato de anéis ou simplesmente finas e altas, como a que leva Claire através dos tempos. Excepcionalmente bem preservado, é considerado um exemplo fantástico da antiga história das Highlands. Antes de ser usado como cemitério, teria sido assentamento de agricultores.

O sítio pré-histórico de Clava Cairns, inspiração para Craigh na Dun, cenário em que Claire encosta na pedra e viaja no tempo

Chovia bastante na tarde em que cheguei lá. Fui dormir em Inverness, a meia hora dali, e voltei na manhã seguinte para aproveitar, mais e melhor, aquele pedaço de pré-história. Desta vez… chovia bastante de novo. Mas faria tudo de novo. Entrada grátis e liberada o ano todo.

São grandes pedras em diferentes formatos ou pequenas delas amontadas demarcando antigos túmulos

9– A gráfica de Jamie

Das mais visitadas locações de Outlander (fica em Edimburgo), o Bakehouse Close é tido como o mais conservado dos vários closes da capital (pequenas áreas fechadas que servem de passagem para outras áreas abertas). Seu arco de entrada data de 1570. Na série, chama-se Carfax Close e é o endereço da gráfica de Jamie, onde ele e Claire se reencontram, quando ela volta (do ano de 1968) para o século XVIII. O interior da gráfica foi filmado em estúdio.

Esses closes, que abrigam imóveis de diferentes funções, estão espalhados por toda a Royal Mile, principal rua do centro histórico da capital. Para os turistas, observar sua arquitetura e aonde eles levam (na maioria das vezes, a outros “andares” da cidade) é uma das atrações. O Bakehouse fica na Canongate, 146.

O prédio do Bakehouse Close, que, na série, dá vida à fachada da oficina de Jamie e acaba pegando fogo

10- Holyroodhouse Palace

Durante algumas semanas do inverno de 1745, Jamie e Claire hospedaram-se na capital, integrando o séquito de Bonnie Prince Charlie, o jovem pretendente ao trono britânico. A locação usada nesse caso foi o Holyroodhouse Palace, localizado no fim da Royal Mile, principal rua da parte velha de Edimburgo.

O Holyrood é a residência oficial da Rainha da Grã-Bretanha, quando ela está na Escócia. Por mais de 500 anos, tem sido nomeado palácio real. Para conhecer suas dependências, há vários tours guiados. Entre os ambientes favoritos dos visitantes estão os aposentos de Mary Stuart, “a rainha dos escoceses”. Entrada: 15 libras.

No Hollyrood Castle, localizado em Edimburgo, foram filmadas diferentes cenas da série

Inverness, a capital das Highlands

Como vimos acima, as cenas referentes à Inverness do início do século XX foram rodadas na pequena vila de Falkland, no sul da Escócia. A histórica capital das Highlands, pelo menos até aqui, não virou locação de “Outlander”. Mas um roteiro de viagem baseado na série necessariamente nos leva à ela.

Antiga cidade catedral, a Inverness da vida real mistura, em sua arquitetura, o medieval e o contemporâneo. Tem hotéis modernos. Mas também tem pousadas sofisticadas em prédios dos anos 1800. A noite oferece apresentações de grupos tradicionais e de DJs tocando música eletrônica, entre outras.

O Castelo de Inverness fica sobre um penhasco, às margens do Rio Ness, e tem uma estrutura de arenito vermelho

Deitado sobre um esplêndido penhasco, às margens do Rio Ness, o Castelo de Inverness é uma das principais atrações da área urbana. Tem uma estrutura de arenito vermelho, erguida em 1836, mas acredita-se que a construção original teria sido obra de Malcolm III, primeira pessoa a ser chamada de Rei da Escócia. Atualmente, apenas os terrenos do castelo e a torre norte estão abertos ao público.

Em Inverness, construções dos anos 1800 à beira do Rio Ness, que deságua no estuário do Mar do Norte

E, além de ser base para as visitas a Clava Cairns e ao campo de batalha de Culloden, Inverness tem, entre outros destaques, o Lago Ness, a história de seu monstro e, a meia hora da cidade, as belíssimas ruínas do Castelo de Urquhart.

As ruínas do Castelo de Urquhart estão a meia hora de Inverness, às margens do Lago Ness
Em algum ponto das Highlands, o turista vai encontrar o gado das montanhas, de raças que se adaptaram à intempérie local

Servicinho básico

Para encontrar esses e outros pontos de locação da série, o melhor é mesmo alugar um carro. Em alguns deles, não se chega de transporte público. Não é necessária permissão internacional para dirigir. A mão é a inglesa.

Brasileiros não precisam de visto para o Reino Unido.

De tanto chover, toda hora tem arco-íris nas Highlands! Ou seja, leve capa e guarda-chuva, mas provavelmente você vai acabar relevando as más condições do tempo.

A tomada elétrica no Reino Unido é a do tipo G (de três pino retos e grossos, sendo um deles na vertical e os outros dois na horizontal). Leve adaptadores universais.

O tempo de visita a cada uma dessas vilas e regiões do interior da Escócia varia muito de pessoa para pessoa, certo? Abaixo, sugestões de hotéis em três cidades, que cobrem bem esse roteiro. Em Edimburgo, minha opção foi por AirBnB: escolha um apê na Royal Mile Street, que você estará muito bem localizado.

Falkland tem dois hotéis: The Covenanter (covenanterfalkland.co.uk) e o Bruce Inn (thebrucefalkland.co.uk), ambos com diárias para casal a partir de 95 libras. Ali do lado, na vila de Freuchie, uma opção pode ser The Lomond Hills Hotel (lomondhillshotel.com), com diária de casal a partir de 75 libras.

Em Newtonmore, cidadezinha onde fica o Highland Folk Museum, o Balavíl Hotel (balavilhotel.com) costuma oferecer música ao vivo no fim da noite. Diária de casal a partir de 80 libras.

Inverness tem muitas opções de hospedagem. Cheque, por exemplo, o Columba Hotel (columbahotelinverness.co.uk), que fica às margens no Rio Ness, de frente para o Inverness Castle. Diária de casal a partir de 85 libras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *