No mais antigo parque temático dos EUA

Montanhas-russas radicais e ambiente do Velho Oeste garantem a diversão de quatro amigos de perfis diferentes

Para os aficionados, a montanha-russa HangTime é um dos trunfos do Knott’s

Há um certo parque temático, numa cidade de tamanho médio de um grande estado americano, que pode agradar adultos de perfis muitíssimos diferentes.  Você se interessa pelo Velho Oeste? Ou é o do tipo que adora montanhas-russas super-radicais? Num caso ou noutro, vai gostar do Knott’s Berry Farm (www.knotts.com), que fica em Buena Park, na Califórnia. Segundo a enciclopédia Britânnica, falamos aqui do parque temático mais antigo dos Estados Unidos.

No Calico Saloon, atores tocam piano, cantam e dançam reproduzindo cenário do passado

Na chegada ao Knott’s, estávamos num grupo de quatro amigos. Optamos, ao acaso, por seguir pelo lado esquerdo e, logo, nos vimos diante de uma das principais atrações do lugar:  a GhostRider, uma super montanha-russa fantasma, todinha feita de madeira. Uma síntese, aliás, dos tais dois perfis do parque.

Animado, Rodrigo seguiu para o brinquedo. Tarcila e Roberto, que também costumam aproveitar o sobe-e-desce das montanhas radicais, refugaram. Acho que foi todo aquele madeirame que fez eles recuarem. Como meu estômago não aguenta mesmo nada de radical, ficamos os três esperando o amigo, que só parou de chamar a gente quando sumiu dentro da enorme estrutura.

O que faríamos em seguida, nos perguntamos quando Rodrigo voltou, feliz da vida. “Vamos nas outras montanhas-russas, é claro”, disse ele, já pensando na Xcelerator  (velocidade de  131km/h e 62,4m de altura), na HangTime (91,7km/h; 45,7m) e na Silver Bullet (88,5km/h; 44,5m),  entre outras radicais do parque, que, garantem frequentadores, são comparáveis às do Busch Garden, na Flórida.

A Xcelerator pode ser vista de diferentes cantos do Knott’s, por causa de sua altura

Só que nós três procurávamos atrações mais amenas. Além disso, Rodrigo tinha encontrado na GhostRider (90km/h; 35,9m) outros amigos que amam as montanhas-russas radicais. E foi assim que perdemos sua companhia naquela noite.

Pois não demorou muito, e fui eu que me perdi do grupo. Quando me dei conta, estava na Ghost City, caminhando entre construções que, em alguns casos, vieram de cidades-fantasmas reais (como Calico, hoje um parque) e de Prescott, no Arizona.  Herança paterna, bateu forte o gosto por aquele ambiente de filmes do Velho Oeste.

Caminhando pela Golden City

Em seu galpão, o ferreiro forja a bigorna. Adiante, o vaqueiro se deixa laçar. Na cadeia, o xerife prende o visitante. No saloon, o pianista e as dançarinas tocam, cantam e se divertem, enquanto o jogo de cartas corre solto entre frequentadores assíduos e ocasionais, como nós.

O ferreiro para de trabalhar para responder perguntas de turistas interessados no ofício

Bandidos e comboys também estão na velha cidade. Assim como o fórum e a prefeitura. Para as comprinhas de viagem, é só entrar na General Store, loja que vende artesanato, camisetas e suvenires típicos.  A Ghost City tem praça e palco, em que há diferentes shows de música e acrobacia. E como não poderia deixar de ser, num pequeno palco um grupo country, com o inconfundível som de banjo, se apresenta aos fins de semana e em eventos especiais.

À mesa , o pessoal da casa joga entre si e/ou com os turistas que pedirem uma vaga

Não faltaram novidades para Tarcila, de olho nos stands de jogos para levar pra casa algum bichinho de pelúcia para seus filhos. Nem para Roberto, amante da natureza e que está sempre à procura de identificar alguma flor, exótica ou não, por onde quer que passe.

Mas eles não se prenderam a seções específicas: até porque, o Knott’s explora quatro áreas temáticas, todas representando a Califórnia. Além da Ghost Town, o Boardwalk retrata o lado praiano do estado; a Fiesta Village recria raízes e cultura hispânicas; e o Camp Snoopy faz a alegria da criançada com os personagens de Peanuts. Assim, me parece que todos se divertiram naquela tarde-noite. 

Brinquedo do Boardwalk, área que representa o lado praiano da Califórnia

A história do parque e sua origem

O Knott’s Berry Park Farm deve sua origem a uma pequena fazenda familiar, que cultivava uma frutinha chamada boysenberry, cruzamento de uma espécie da família da framboesa com outras três da família da amora. Ela teria sido batizada com esse nome pelo primeiro dono do parque, Walter Knott, em homenagem ao homem que a desenvolveu, Rudolph Boysen.

Knott foi o primeiro a comercializar a fruta, lá pelos anos 1920, e sua mulher, a primeira a vender tortas de boysenberries. Em 1934, eles somaram a seu empreendimento um pequeno restaurante que servia frangos fritos.

Mais tarde, o negócio de tortas e frangos se transformaria no parque temático, com a Ghost City nascendo em 1940. Nos anos 1990, depois da morte do casal, o Knott’s foi vendido para a Cedar Fair, operadora de parques temáticos e de diversão. O complexo inclui ainda o Knott’s Soak City Waterpark e o Knott’s Berry Farm Hotel.

Pra quem gosta do ambiente do Velho Oeste, a cidade fantasma é prato cheio

Como chegar e ingressos

O parque opera durante todo o ano. E a cidade de Buena Park fica a uns 40 minutos de carro de Los Angeles e a 20 minutos de Anaheim, onde nasceu a Disney e está localizada a Disneylândia. Ou seja, programas conjuntos por lá não faltam. O ingresso regular para a temporada do Knott’s está saindo a US$ 116. Para um dia só, a US$ 54. Mais informações no site knotts.com/tickets-passes/season-passes.

Cenário no Knott’s no encerramento da IPW 2019, maior feira de turismo dos EUA, em junho

Léa Cristina viajou a convite da US Travel Association e do Brand USA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *